Soneto de carnaval

Soneto de Carnaval

É momento da festança geral
Quando o povo se ajunta aglomerado
Música feia e fedor ao meu lado
Lá vou eu no bloco de carnaval

E no meio dessa farra animal
Com aroma de urina sou brindado
Premiado com um vômito aguado
Vindo de uma morena sensual

Já não existe mais a linda Colombina
Não sou mais o Pierrô apaixonado
O mau gosto destruiu o meu astral

Mas tudo acaba na quarta divina
Que Deus perdoe os dias de pecado
E de alegria deste pobre mortal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *